O papel do internista no alívio do sofrimento

O papel do internista no alívio do sofrimento

Do país vizinho, viajou o Dr. Júlio Gomez para transmitir a sua experiência como internista na gestão do sofrimento do doente. O especialista do Hospital San Juan de Dios de Santurtzi partilha uma visão muito pessoal do acompanhamento a um doente, que pode aproximar-se do fim de vida.

Vídeo

“O sofrimento integra uma experiência emocional, social/relacional e existencial/espiritual, e se o profissional de Saúde apenas observa o sofrimento como algo físico, não avalia de forma total o doente e perde caminhos de como o aliviar”, explica o Dr. Júlio Gomez.

Considera que com uma visão limitada do sofrimento pode assistir-se a uma boa Medicina Paliativa mas não existe qualidade global nos Cuidados Paliativos.

O Dr. Júlio Gomez afirma que a tarefa do internista não é dar soluções ao doente de como lidar com o sofrimento, é aguentá-lo até ele próprio conseguir encontrar respostas e um sentido para o seu sofrimento.

Acrescenta que “os médicos não podem prender-se à sua experiência clínica, aos fármacos a administrar, aos objetivos terapêuticos, porque pode colocá-los numa piscina onde não conseguem tocar o fundo. É necessário colocar-se ao lado do doente e acompanhá-lo, sem o desespero de salvá-lo ou de invadir o seu processo pessoal de sofrimento”.

quarta-feira, 10 maio 2023 11:25
Expert Insight